Notícias >> Mercado

Mercado Imobiliário: Ainda sem sinais de bolha

04 de jul de 2012 | Por: Seu Lar Aqui

Estadão

Há dez dias, o Banco Internacional de Compensações (BIS, na sigla em inglês), que funciona como banco central dos bancos centrais, divulgou análise em que adverte para a formação de uma bolha de crédito no Brasil.
Esse diagnóstico foi prontamente desmentido pelo governo Dilma e pelo Banco Central. O argumento central de defesa foi de que o estoque de crédito no Brasil é de apenas 50% do PIB e, mesmo com o forte crescimento dos financiamentos habitacionais (15,3% em 12 meses), a situação do crédito imobiliário no Brasil está longe de configurar perigo de formação de bolha.

Nisso as autoridades do Brasil estão carregadas de razão. Ainda não há sinais de crise no financiamento geral nem com o segmento do crédito imobiliário parecida com a que acontece nos Estados Unidos e em alguns países europeus, especialmente Irlanda e Espanha. O estouro da bolha do subprime, em 2007, nos Estados Unidos ocorreu quando as operações de financiamento hipotecário tinham descarrilhado para práticas condenáveis. Eram comuns os refinanciamentos hipotecários por quatro ou cinco vezes, só para prover dinheiro novo que o devedor poderia queimar no consumo.

Aparentemente, traumatizados pelos maus antecedentes dos Estados Unidos e da Europa, e impressionados com a rápida expansão do crédito no Brasil (crescimento médio de 13% ao ano), os analistas do BIS exageraram nos cuidados.

No entanto, não dá para esconder a disparada da inadimplência (calote) nos créditos para pessoas físicas, que saltaram de 6,4% em maio de 2011 para 8,0% em maio deste ano. E isso indica redução da capacidade das famílias de honrar compromissos financeiros aos padrões de hoje.

O Banco Central não apresenta estatísticas para a inadimplência específica do setor imobiliário, mas algumas avaliações dão conta de que também estão crescendo. E a relativa saturação do mercado pode contribuir, se não por um achatamento dos preços das unidades habitacionais para níveis inferiores ao avanço da inflação, pelo menos para uma redução da velocidade de valorização dos imóveis, situação que pode comprometer a qualidade da garantia (hipoteca).
Um dos fatores que concorrem para isso é o avanço dos preços de mercado por metro quadrado cuja curva está no gráfico acima. Outro, a disparada do custo de construção. Em apenas 12 meses (terminados em maio), o custo da mão de obra saltou 11,5%. É, também, fato reconhecido que o Programa Minha Casa, Minha Vida está concorrendo para forte elevação dos preços dos terrenos urbanos. As dificuldades que as construtoras estão enfrentando para entregar os imóveis novos aos preços previamente indicados ilustram o que está ocorrendo.

Um terceiro limitador para a expansão do mercado imobiliário ao ritmo de hoje é o crescimento bem mais baixo da renda familiar, de cerca de 5% ao ano, como apontam os números do IBGE.

Para um financiamento de um apartamento de R$ 300 mil, por exemplo, com entrada de 20% e prazo de amortização de 20 anos, a prestação inicial é superior a R$ 3,1 mil e a renda familiar exigida é de R$ 10,3 mil. Quantas famílias brasileiras poderão enfrentar essas condições, num quadro de desaceleração do PIB?

CONFIRA

A balança comercial vem apontando fragilidade, como mostra o gráfico. No primeiro semestre deste ano, as exportações caíram 1,7% em relação ao mesmo período de 2011. Enquanto isso, as importações cresceram 3,7%, o que reflete a incapacidade do setor produtivo de dar conta da forte demanda interna, que é de alguma coisa entre 5% e 6%.
Fraqueza geral. Os números do Ministério do Desenvolvimento mostram queda das exportações em todos os segmentos importantes: básicos (-1,4%), semimanufaturados (-6,5%) e manufaturados (-1,0%). Apenas as operações especiais, que representam só 2,4% do total,aumentaram 9,8%.

  • Imprimir

Notícias relacionadas

Existe o perigo de bolha imobiliária no Brasil?

O aquecimento do mercado imobiliário em cidades como São Paulo e Ri... Leia mais >


Como decidir entre comprar imóvel à vista ou financiado

Ainda que já tenham sido bem mais altos, os juros no Brasil ainda p... Leia mais >


Como deixar o financiamento do seu imóvel mais leve ou curto

Entrar em um financiamento imobiliário longo – de 20, 30 anos... Leia mais >


Aluguel no Litoral para feriado de 7 de setembro está até 52,53% mais barato

Quem pensa em viajar para o litoral paulista no próximo feriado de ... Leia mais >


Veja as diferenças entre homens e mulheres na hora de comprar um imóvel

Na hora de escolher um imóvel usado, seja para comprar ou alugar, o... Leia mais >