Colunistas >> Pâmela Gautto

Iluminação e Fotografias...

31 de mar de 2013 | Por: Pâmela Gautto

É impossível falar de fotografia sem pensar em luz. O próprio nome dessa arte (fotografia quer dizer “escrever com a luz”) já adianta qual é o cuidado mais importante que deve ser tomado ao capturar uma cena.
Porém, não é simplesmente a quantidade de luz que importa. Aprenda quais são os principais tipos de iluminação, como eles interferem no resultado final e como você pode posicionar as suas fontes de luz para conseguir melhores fotografias.

 

A luz natural


A luz natural é proporcionada pelo sol, que pode incidir diretamente ou indiretamente sobre o assunto. O aspecto da luz solar pode variar de acordo o horário e o tempo, resultando nos mais diversos aspectos à sua fotografia. Ao amanhecer, por exemplo, provoca tons quentes, com cores avermelhadas ou alaranjadas que são muito agradáveis para paisagens. A intensidade da luz logo pela manhã e à tarde é mais fraca, e produz imagens com boa definição e detalhes definidos, sem exagerar no contraste.

Foto de hitaak

 

Luz dura e luz suave


Nas primeiras horas da manhã e à tarde a luz é mais suave, ou seja, mais fraca, como também direcionada. A iluminação durante o resto do dia tem intensidade mais forte, produz imagens com sombras densas e também causa o efeito de "estourar" a imagem, em que áreas mais claras da foto perdem totalmente a definição e ficam totalmente brancas. Este tipo de iluminação é chamada de luz dura.

Foto de MoscaCojonera

 

 

A Luz artificial


Além da luz natural, podemos usar outras fontes para iluminar nossas fotografia. Na maioria das vezes, usamos uma luz artificial quando a luz natural não é suficiente para iluminar a cena fotografada, como dentro de um ambiente fechado, ou em cenas noturnas.

A fonte de luz artificial mais usada é o flash eletrônico. Atualmente, todas as câmeras amadoras e semi-profissionais já tem um embutido no corpo da câmera, e funciona de maneira automática. Qualquer outra fonte de luz pode ser usada para iluminar uma cena a ser fotografada, como um holofote, lâmpadas, velas... São as chamadas "fontes de luz contínua".
 

 

Flash à noite


O flash não é visto como uma boa fonte de luz, mas como quem não tem cão, caça como gato, vamos usá-lo direito. Algumas câmeras tem ótimos flashes, não muito fortes e com uma aparência natural; se a sua tem um assim, comemore! A minha compacta por exemplo, deixa tudo muito marcado, além de dessaturar um pouco as cores. Um defeito aqui, outro ali, parta pra edição: como o flash dá aquele contraste, diminua-o no Photoshop. Se ele marca muito os vermelhos, deixando num tom vinho, suavize na opção Cor Seletiva do Photoshop, diminuindo os brancos dos vermelhos. Enfim, sempre há uma saída! Para saber mais sobre como editar fotos noturnas.

 

Flash ao dia


Não, ele não serve só para a noite, o flash também pode ser usado ao dia! Quando o sol está atrás da pessoa por exemplo, e você não quer aquela silhueta clichê, o flash pode te clarear e o sol lá atrás continuará te iluminando! É o chamado jogo de luzes. Várias fontes de iluminação juntas podem te trazer ótimos e diferentes resultados.

 

Iluminação em Quadros em Casa...


Com pontos de luz direcionados para estes, é possível criar um impacto visual bastante agradável.
Uma alternativa muito útil, é recorrendo a utilização de pontos de luz que são usados individualmente, agrupados em trilhos, ou embutidos no forro.

 

Use as lâmpadas recomendadas


Ao iluminar um quando, é aconselhável a utilização de lâmpadas refletoras de halogéneo. Estas não só têm um alcance maior no que diz respeito a distâncias, mas também são capazes de reproduzir com fidelidade as cores da obra de arte.

Não é recomendado o uso de lâmpadas incandescentes para iluminar os quadros, uma vez que estas podem distorcer as cores. As lâmpadas de halógenas para além do elevado consumo de energia associado, estas, produzem raios UV que podem danificar as obras de arte. As lâmpadas Xenon ou LEDS podem ser uma ótima alternativa uma vez que são lâmpadas mais frias e que, para além de não danificarem as pinturas têm um consumo mais baixo de energia.

Ao instalar os pontos de luz na obra de arte, lembre-se que o seu posicionamento é muito importante, sendo necessário considerar os seguinte fatores:
 Coloque o ponto de luz num ângulo de 30 graus em relação à peça;
 Nos quadros maiores adicione mais 5 graus, pois ajuda a evitar o realço das sombras indesejadas;
 Para acentuar a textura de um quadro reduza 5 graus;

 

TIPOS DE LUMINÁRIAS

Projetores:
Os quadros podem ser iluminados de baixo para cima pois existem luminárias próprias para este efeito. Elas difundem a luz de maneira regular para o alto e sobre os lados. Podemos dispor de varias para iluminar o alto das paredes ou galerias.

 

Spots:
Eles podem ser regulados para produzir uma iluminação direta ou indireta sobre a obra. Alguns se movem sobre trilhos, outros são fixos no teto, parede ou até mesmo no chão. Os spots podem ser utilizados isoladamente ou agrupados.
 

Luminárias Tubulares:
As luminárias de tubos fluorescentes são indicadas para a iluminação de conjuntos de obras onde só uma fonte de luz se impõe. Os tubos são perfeitos para canalizar a iluminação para as molduras.

Apliques:
Existe uma grande variedade de apliques disponíveis permitindo a combinação dele com o estilo da obra e sua moldura. O aplique muitas vezes não proporciona a forma ideal para se obter uma composição perfeita.

 

Fontes:


http://www.fotografiaonline.xpg.com.br/biluminacao.html
http://www.tecmundo.com.br/9930-fotografia-entenda-os-diferentes-tipos-de-iluminacao.htm
www.multivideo.com.br
www.portaleducacao.com.br
www.labfoto.ufba.br
www.flickr.com
www.luzdarua.com
inspireedecore.blogspot.com
http://melhorangulo.com/fotografia/dicas-sobre-iluminacao-e-flash
 

  • Imprimir